Qual é o nível de consciência dos animais e das plantas?

O movimento cruelty-free combate o consumo de produtos de origem animal. E essa luta faz sentido, porque pesquisas científicas já podem indicar que os animais e até as plantas, são sencientes ou seja, possuem a capacidade de ter sensações e sentimentos de forma consciente. Leia mais. 

As pesquisas revelaram que existem associações comuns nos sinais elétricos emitidos tanto pela consciência dos humanos, como dos animais. 

Nesse ponto, as pesquisas ganharam muita força na comunidade científica quando, em julho de 2012, um grupo de renomados neurocientistas, neurofarmacologistas, neurofisiologistas e neuroanatomistas se reuniu na Universidade de Cambridge para divulgar algumas conclusões surpreendentes que, obviamente, começaram a quebrar tabus e mitos sobre o assunto da consciência dos animais.

Apesar das dificuldades apresentadas para uma pesquisa dessa amplitude e complexidade, como por exemplo, a inabilidade dos animais de se expressar em alguns parâmetros mais inteligíveis, conclusões importantes foram apresentadas:

  • Os animais mostraram que existem circuitos cerebrais homólogos aos dos humanos, correlacionados com a experiência e à percepção conscientes. 
  • A estimulação artificial de determinadas regiões cerebrais gerou comportamentos e estados emocionais semelhantes  aos dos humanos, como atenção, sono e tomada de decisão.
  • Sistemas associados ao afeto, quando estimulados, apresentaram estados comportamentais-eletrofisiológicos similares aos dos humanos.
  • Padrões de reação e tomada de decisão semelhantes aos dos humanos foram, igualmente, apresentados em insetos e em moluscos cefalópodes, como os polvos.
  • Certas espécies de pássaros exibiram padrões neurais de sono semelhantes aos dos mamíferos.

A Declaração de Cambridge, fechou com a seguinte conclusão:

"Consequentemente, o peso das evidências indica que os humanos não são os únicos a possuir os substratos neurológicos que geram a consciência. Animais não humanos, incluindo todos os mamíferos e as aves, e muitas outras criaturas, incluindo polvos, também possuem esses substratos neurológicos"

O que dizer do grau de consciência das plantas?

Estabelecer o padrão de consciênncia das plantas, é uma tarefa ainda mais complexa. Segundo os cientistas, as plantas também desenvolveram estratégias de vida muito diferentes dos padrões conhecidos.

O que já foi descoberto sobre a consciência das plantas:

  • As plantas usam sinais elétricos de duas maneiras: para regular a distribuição de moléculas carregadas através das membranas e para enviar mensagens de longa distância por todo o corpo. 
  • As folhas de uma planta podem ser enroladas porque o movimento dos íons produz um movimento da água fora das células, o que muda sua forma. Uma picada de inseto em uma folha poderia iniciar respostas de defesa de folhas distantes.
  •  O sistema defensivo das plantas responde a estímulos como voltar para a luz ou se fechar para capturar um inseto, como no caso das plantas carnívoras.
  • As plantas possuem entre 15 e 20 sentidos, como as habilidades humanas de cheirar, provar, ver, tocar e ouvir.
  • As plantas produzem substâncias químicas semelhantes aos neurônios em animais, o que permite que umas respondam às outras. Nesse sentido, as árvores sobressaíram.  

Qual seria o grau de consciência das árvores? 

No mundo das plantas, estão incluídas, claro, as árvores. Nesse caso, o avanço das descobertas tem sido surpreendente também. Uma pesquisa interessante demonstrou que elas são mais evoluídas do que se imagina.

Após a análise do solo onde várias árvores que viviam próximas, foi descoberta uma incrível rede subterrânea de raízes entrelaçadas, tendo os fungos como o elo para a conexão dessas árvores vizinhas!

A internet vegetal

A internet vegetal teria como objetivo, não só o intercâmbio de nutrientes, como a troca de mensagens de alerta, no caso de uma ameaça iminente! 

Além dos animais e plantas, os microrganismos também possuem consciência?

Todos tem noção que, além de humanos e animais, habitam no planeta uma quantidade imensa - talvez incontável - de micro-seres. Geralmente, o nome mais conhecido desses minúsculos e invisíveis habitantes, é "micróbio” que, na verdade, são as bactérias, fungos, vírus ou protozoários.

Microbioma é o nome do estudo sobre o grupo de microrganismos que vivem em determinados ambientes. Todos seres vivos, sem exceção são "habitados" por essas comunidades de micro-seres. 

O que já se sabe é que apenas 43% do total de células sejam de fato humanas, pois o restante é formado por microrganismos. 

A professora Ruth Ley, Diretora do Departamento de Microbiologia do Instituto Max Planck, doutora em Microbioma, fez uma provocação: "Seu corpo não é apenas você. Logo, seu corpo depende muito do que você faz com ele!"

Por meio da digestão, por exemplo, os microrganismos regulam o sistema imunológico e protegem seu corpo contra as doenças, além da produção de vitaminas essenciais.

Portanto, cabem alguns questionamentos ainda não plenamente respondidos, como, o que determina o início de uma operação? Qual seria o nível de consciência dos microrganismos? Puramente mecânico ou consciente?

O fato é que todos devem estar cientes que o mundo é habitado por muito mais seres conscientes do que se imagina. A maldade contra os animais é também contra o meio ambiente, porque a sua sustentabilidade envolve o equilíbrio de todos os seres vivos, sem exceção!

Talvez seja este o momento ideal para que novos paradigmas e costumes comecem a ser postos em prática, pois é assim que a humanidade evolue de um ciclo para outro. 

Greenco concorda que todos seres conscientes merecem mais respeito! Aproveite e confira os produtos feitos com consciência ecológica e sociológica!