Adoção de animais é mais do que um ato de caridade! Se liga nessa parada!

Adoção de animais, é mais do que um ato de caridade. Representa o seu respeito pelos bichinhos indefesos que um dia foram abandonados como se fossem objetos. Veja algumas dicas para entrar nesse ato de amor aos animais que precisam! 

Nestor puxando uma palha

Segundo o IBGE, pelo menos 44% das casas dos brasileiros têm um pet!

Portanto, mais da metade dos pets, ainda continua na rua. Em números absolutos, seriam mais de 20 milhões de animais soltos e sem um lar. A maioria, claro, vira-lata.

esse é um dos problemas! Geralmente, a preferência é gastar dinheiro só para ter um animal de raça ou com pedigree!

A conscientização de que todos os animais de estimação, são, rigoramente iguais, ainda não está arraigada na maioria das pessoas.

Uma das justificativas para não adotar um animal de rua é sempre o medo de doença ou até mesmo por causa de superstição. Os gatos pretos, por exemplo, são os mais discriminados! Outro preconceito é com relação ao animal mais velho.

Colocando um fim nesses mitos, por certo o a adoção de animais terá outra visão!

Ainda que seja difícil a readaptação, adotar um animal abandonado nas ruas por vários motivos, não é apenas um ato de caridade, mas até de auxílio psicológico para quem precisa! 

4 razões para você adotar um animal:

1 – Mesmo existindo muitas ONGs especializadas e entidades protetoras dos animais, o abandono de animais, continua bastante alto.

2 – Pesquisas relevam que ter um animalzinho em casa afasta a depressão. Além disso, deixa o ambiente mais positivo para toda a família. Você ajuda e é ajudado!

3 – O contato constante com um pet, pode ajudar na educação da criança, como controlar impulsos e a lidar com as dificuldades da vida. Exemplo: lidar com situações extremas, como nascimento, reprodução e até a morte.

4 – Quando a criança tem menos de um aninho, ter um cão ou um gato em casa, reduz em até 50% as chances de o bebê desenvolver algum tipo e alergia.  

Leia esta comovente história contada por uma importante veterinária de Belo Horizonte!

“Há 30 anos, quando me formei em Medicina Veterinária, eram poucos os grupos que resgatavam e cuidavam dos animais abandonados. Hoje, existem muitas ONGs e protetores, o que acarretou no aumento do número de animais sem raça definida passeando com seus donos nas ruas de BH.
Não vejo problemas na venda de animais, desde que sejam respeitados os seus direitos. Devem ser bem cuidados, vermifigados e vacinados. Ainda assim, sempre oriento meus clientes a adotar, pois existem muitos cães e gatos precisando de um dono.
É bom lembrar que os cães que ficam na rua estão sujeitos a doenças e muitas são zoonoses, ou seja, doenças que podem passar para o ser humano. Hoje, existem  consultórios (geralmente custeados por ONGs) que atendem por um preço menor. Fazem consultas, cirurgias e até internações.
Há mais tempo, resgatei uma cadela que estava com 4 filhotes. Cuidei dela e dos filhotes e com o tempo os filhotes foram adotados. Um deles foi para uma mocinha de 15 anos.
A mãe nunca tinha tido um bichinho, mas esta foi uma ideia da psicóloga da jovem. Passados 4 anos, a mãe lançou um livro e ao fazer a dedicatória no meu livro ela escreveu: ‘Você é a grande responsável  por um sentimento que desconhecia: o amor por um animal...’.
E sabe o que eu falo para os meus clientes que perdem um cão ou um gato? Adote. Temos muito amor para dar e existem muitos cães e gatos precisando desse amor!”

Maria Amélia que foi adotada depois de ter sofrido agressões

 

Existem diversas oficinas abordando assuntos variados para quem quiser estar bem preparado, antes de adotar um animal, seja, cachorro, gato ou qualquer outro. Assim, faça um bem para aquele bichinho sem lar e, claro, faça um favor para você mesmo, porque esse tipo de companhia não vai te largar jamais!

Use sempre roupas “cruelty-free”, aquelas que não são feitas com "restos de animais"! Isso não acontece na Greenco! Confira aqui!