Nas cidades-esponja, enchente é coisa do passado!

Entra ano, sai ano: as enchentes não perdoam! Planos urbanísticos ultrapassados, não resistem às chuvas de verão. A população paga a conta. O que fazer para aplacar a fúria da natureza maltrada? As cidades-esponja podem ser a solução. Leia mais.

Cidade-esponja, uma ideia urbanística que salva!

O conceito é, relativamente, antigo, mas só agora é que resolveram voltar as atenções ao seu conteúdo e à sua efetivação.

A cidade-esponja é fruto de um projeto urbanístico cujo foco é manter a água da chuva onde ela cai, graças à permeabilidade do terreno. Nas precipitações mais pesadas, a água é absorvida pelo solo e pela vegetação. 

O objetivo é reter a água da chuva através da impermeabilização do chão pavimentado, de modo que, parte dela evapore e o resto seja escoado gradualmente. Assim, em vez de escoamento brusco direto para os rios, a água é retida antes. 

O escoamento rápido faz com que todo tipo de sujeira urbana seja arrastado pela água que corre na superfície. Agentes naturais, como pólen e botões de flores - que caem das árvores da cidade - escoam para lagos e rios e podem matar os peixes devido à sobrecarga de nutrientes e o esgotamento do oxigênio da água.

A cidade-esponja é uma alternativa para cidades, urbanisticamente, mal planejadas! 

Por causa do excessivo número de enchentes, a primeira cidade-esponja da China, é Wuhan. Conhecida como “a cidade de centenas de lagos”, foi a escolhida para o projeto-piloto. 

As inundações nas estações de metrô e nas estradas causaram dezenas de fatalidades e alguns bairros ficaram isolados do resto da cidade. Foi a grande enchente de 2016 que fez convencer as autoridades a mudar o plano urbanístico da cidade.

Depois de Wuhan, outras 16 cidades chinesas também foram incluídas no projeto cidade-esponja. Essas cidades também passariam a ter novos sistemas de drenagem e mais áreas verdes.

Impermeabilização do asfalto + absorção da água do solo = fim das enchentes!

A concessão de subsídios do governo central ao projeto cidade-esponja termina em 2020. Depois disso, as prefeituras terão de criar parcerias com a iniciativa privada para complementar e gerar mais recursos.

Os resultados já são visíveis. No distrito de Lingang, por exemplo, os terraços de prédios possuem árvores, jardins e até praças públicas, cheias de canteiros!

Outros resultados positivos, decorrentes do projeto cidade-esponja:

  • 20% das áreas urbanas das cidades-esponja serão capazes de absorver e armazenar 70% das águas pluviais até 2020.

  • 170 km2 de um total de 860 km2 de área urbana receberão sistemas de drenagem das águas e espaços verdes.

Segundo o Diretor de Gestão Hídrica, do governo chinês, Wen Mei Dubbelaar, “Num ambiente natural, a maioria das precipitações se infiltra no terreno, drenando bem e evitando inundações. Esse fenômeno não acontece em locais pavimentados, pois não drenam a água, gerando inundação. Na cidade-esponja, apenas 20 a 30% da água da chuva é absorvida pelo solo, reduzindo o risco de alagamentos. As ruas mais largas de Lingang já têm pavimentação permeável e a água da chuva escorre sem se acumular!”

Berlim saiu na frente das demais cidades européias!

Como na China, a Alemanha também partiu para a inovação e fez de Berlim, a sua primeira cidade-esponja! E o bairro escolhido para iniciar o projeto, foi Rummelsburg. A primeira etapa do plano foi a construção de corredores úmidos no subsolo.

Outros benefícios foram implementados:

  • Mais árvores plantadas e novos toldos colocados nas calçadas, para aumentar a sombra

  • Edifícios pintados com cores claras, a fim de refletir mais calor, em vez de absorver

  • Telhados de prédios e casas, cobertos de grama, para maior absorção da água e, mais tarde, liberá-la por meio da evaporação.

  • Impermeabilização da pavimentação de áreas mais quentes da cidade e de estradas, para prevenir o superaquecimento de ruas e do asfalto, em dias muito quentes.

O projeto cidade-esponja vai alinhar as regras de urbanismo das grandes cidades do mundo!

Requisitos para implementação do projeto cidade-esponja, necessários à cidade candidata:

  • Reformulação do sistema viário (estradas e ruas)
  • Plantação de árvores e criação de abrigos para proteção dos habitantes em tempos de chuva
  • Construção de prédios inteligentes, adaptados às normas do conceito cidade-esponja
  • Campanhas pontuais, cursos presenciais ou virtuais, seminários e treinamentos, voltados aos novos conceitos
  • Convênios com outras cidades-esponja, para intercâmbio de serviços e informações
  • Integração aos princípios do movimento slow e de outros movimentos de educação ambiental para a conscientização da população local

Inundações e outras tragédias que, aparentemente, são "culpas da natureza" são, na verdade, resultado da omissão humana que relega a segundo plano suas obrigações com relação à sua comunidade e ao meio ambiente.

Tragédias ambientais são, na maioria das vezes, resultado da omissão humana!

Novas leis urbanísticas e outras ferramentas, são fundamentais para implementar, manter e adaptar os sistemas de infra-estrutura de coleta, armazenamento e tratamento da água.

Greenco, sempre fiel aos princípios ecológicos de apoio incondicional às medidas que podem amenizar os problemas do meio ambiente, continua produzindo camisetas em defesa da natureza! Veja mais!